quarta-feira, 17 de julho de 2019

Convite Articulado Super Hero Girls

Este convite eu fiz para o aniversário de 3 anos da minha pequena Nalu.
Quem gosta de fazer convites moderninhos e diferentes vai adorar!!

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Se precisar de mais explicação eu olhei este vídeo e me ajudou bastante.
Espero que gostem!!!
Bjuss!!!

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Primeiro dia de aula..... o que pode acontecer??

        
Bom.......... esta é uma questão muito difícil...tanto para a criança quanto para os pais.....
         Como professora posso dizer que tem crianças que sentem muito a separação e tem crianças que levam na boa.... tem as criança que nunca choram, tem as crianças que choram alguns dias, tem as que choram vários dias e as que choram todos os dias até o final do ano.... é assim.... e a gente nunca sabe como a criança vai reagir....o que o pai pode fazer com as que choram??? não desistir e tentar levar na maior calma possível.
          Quando a criança é pequena, chora muito e os pais desistem .... ela até pode voltar para a escola no próximo ano......mas quando a criança já entende, chora na adaptação e os pais desistem fica cada vez mais difícil porque ela vai entender que pode chorar que vai ser atendida e cada vez vai chorar mais. Sempre deve-se deixar claro para a criança que os pais vão deixá-la na escola para que ela aprenda coisas novas e se divirta e que quando for a hora eles virão buscá-la. Que as professoras (educadoras ou tias) irão atender as suas necessidades.
        Como mãe posso dizer que a separação é muito difícil para nós também....quando choram nos sentimos culpadas porque colocamos na escola com uma estranha que ele nem gosta..... quando não choram é um alívio porque ficam bem, mas peraí?!...........como ele não chorou??? ficou com ela na boa??? nem conhece ela??? e eu ???? não vai sentir minha falta???.........calma, relaxa, resssspira!!!!
        Esta será a primeira de muitas pessoas que eles irão conhecer e dando os primeiros passos para o mundo!! 
        Mas aqui vão algumas diquinhas para uma adaptação saudável:

1. Fortalecer os vínculos afetivos desde o nascimento
A melhor maneira de garantir uma separação mais tranquila é fortalecer os vínculos com o bebê desde o nascimento, garantindo o que os médicos chamam de apego seguro. É o que dará à criança a sensação de que o afastamento não representa o abandono. Isso significa garantir um equilíbrio saudável entre o trabalho e a maternidade. Ou seja, a mãe precisa de um período para estreitar os laços com o filho sem se preocupar com sua estabilidade profissional. Nesse sentido, a licença-maternidade cumpre um papel decisivo, especialmente a de seis meses. Um sinal de que esses vínculos ainda estão indefinidos é o choro intenso e desesperado do bebê, a apatia, o desvio de olhar ou a recusa em se alimentar. Nesses casos, vale a pena reavaliar a situação.

2. Escolher bem para poder confiar
Sem confiança, a separação tende a se complicar. Por isso, a escolha do berçário é tão importante. Além dos pré-requisitos evidentes, como limpeza e higiene, é fundamental levar em conta outras questões. Observe se o lugar é organizado, se as cuidadoras pegam o bebê no colo na hora de oferecer a mamadeira, se conversam com os bebês em tom confortante. Pergunte também se há música para as crianças e, finalmente, certifique-se de que existe uma rotina para atender às necessidades físicas e emocionais do bebê. Isso significa tanto uma alimentação e segurança contra acidentes como a preparação dos adultos para lidar com os pequenos.

3. Introduzir alimentos sólidos com antecedência
Dependendo da idade do bebê, é aconselhável que os pais não deixem para introduzir sucos naturais e papinhas somente quando ele entrar no berçário. O ideal é que isso aconteça com a antecedência de pelo menos 15 dias. Normalmente, os bebês deixam de mamar exclusivamente no peito da mãe aos 6 meses, idade adequada para deixá-lo no berçário e voltar ao trabalho. Não por acaso, existe hoje a lei de licença-maternidade de 180 dias, que prevê o incentivo fiscal às empresas privadas que concedem seis meses de afastamento às suas funcionárias.

4. Depois dos 9 meses, o bebê vai dar mais trabalho
A memória de uma criança, com menos de 9 meses de idade, ainda não retém informações por muito tempo, mesmo que seja a imagem da mãe. Essa condição diminui o sofrimento na hora da separação. Por isso, vale a pena planejar o ingresso no berçário para o período em que o pequeno tem entre 6 e 9 meses. Antes ou depois disso, a situação tende a ser mais difícil.

5. Administrar a emoção na hora de ir embora
O adulto sente mais a separação do que a criança. E esse é um desafio a ser superado. Os problemas normalmente acontecem quando o bebê percebe o estado de estresse da mãe e também se agita. O segredo é manter a tranquilidade, transmitindo segurança ao pequeno, e não se frustrar quando constatar que seu filho se adaptou facilmente ao berçário sem a sua presença. Deixe para chorar no banheiro ou no carro…

6. Marcar presença na adaptação

Largar a criança no berçário e só voltar para buscá-la horas depois não é a melhor estratégia na fase de adaptação. É preciso que alguém conhecido – a mãe, o pai ou outro cuidador – esteja por perto nesse primeiro momento para oferecer o colo na hora do choro. Essa estratégia evita que a criança se sinta abandonada. Aos poucos, ela se acostuma com a nova situação.

7. Cuide dos detalhes da adaptação
Existem procedimentos simples que facilitam a adaptação de crianças de colo no berçário. Um deles é apaziguar o bebê, com um tom de voz calmo, se ele estranhar o lugar. Outro é deixar o pequeno sentado para que ele enxergue os demais à sua volta. Deitado, ele só verá o teto, demorando mais para se acostumar com tudo. Estímulos também são bem-vindos nesse momento. Uma boa dica é impor desafios que não ofereçam risco à integridade física e emocional do bebê. A escalada de almofadas, por exemplo, é segura e a criança é capaz de cumpri-la. Por fim, deixe que seu filhote explore o ambiente e interaja com o novo espaço.

Estas dicas valem muito para adaptações em creches para bebês.........mas e na escola??? como funciona??? como lidar???

1. Crises de choro na porta da escola

          Muitas vezes o familiar é pego de surpresa por uma crise de choro da criança na porta de escola, pois isso pode acontecer até com as crianças que demonstram alegria e entusiasmo para o seu primeiro dia de aula. O momento mais delicado é quando a criança e seus familiares têm que se despedir.
           Porém, esse é um comportamento compreensível, visto que a criança está chegando a um lugar novo e desconhecido, onde não conhece ninguém e terá que ficar um tempo longe de quem ela já confia e tem afinidade
         Por isso, no período de adaptação, que normalmente dura cerca de uma semana até um mês, é importante que o responsável acompanhe a criança por algumas horas dentro do ambiente escolar, ajudando-a familiarizar-se com a instituição fazendo novas amizades, bem como, transmitindo maior segurança a ela.
      É importante destacar que a criança percebe quando os familiares estão inseguros e isso só dificulta a sua adaptação. Por essa razão, é fundamental que os familiares tenham confiança na escola que matriculou os filhos, pensando nisso é que reforçamos a importância das visitas nas escolas antes da matricula.
      Quando sentir que a criança está buscando explorar mais o ambiente, aproveite para se afastar um pouco dela. Vá ao banheiro ou beber água, mas lembrem-se de voltar conforme o prometido. Quando chegar o momento de despedir-se da criança é importante que os familiares se mantenham seguros e façam a despedida brevemente, dizendo que irão embora mas que em breve irão busca-la. Algumas pessoas evitam se despedir, dizendo por exemplo que vão ao banheiro e vão embora. Essa não é uma atitude saudável, pois as crianças perderão a confiança em você e ficarão ansiosas a todo momento, achando que você vai embora. Assim, uma relação saudável deverá estar pautada na verdade para que o processo de adaptação não seja prejudicado.

2. Tristeza e apatia antes da mudança de escola

        Quando a criança vai mudar de escola ela começa um novo processo de adaptação. Dessa forma, pode apresentar tristeza e apatia, pois já estava habituada ao ambiente anterior, além de ter criado laços afetivos com os amiguinhos e as professoras.
       Para contornar essa situação, tenha paciência e invista em uma boa e sincera conversa. Explique para a criança o motivo da mudança de uma forma que ela possa compreender a necessidade e como isso pode ser positivo para ela. Além disso, demonstre companheirismo dando força para esse momento difícil.

3. Falta de vontade de frequentar a escola

         A falta de interesse na escola pode ser reflexo de uma resistência em não querer sair do ambiente familiar. É preciso incentivar a criança a frequentar outros ambientes, para isso, os familiares precisam promover a participação em eventos que a escola que pretende matricular a criança oferece.
         Além disso, outro motivo que leva a criança a não ter vontade de frequentar a escola é o pouco contato que tem com outras crianças da mesma faixa etária. Sendo assim, busque frequentar parque infantis, no qual ela poderá brincar com outras crianças. Essa atitude irá ajuda-la a querer frequentar novos ambientes.

4. Dificuldade da família em deixar a criança

         Não é somente as crianças que enfrentam dificuldades, mas sua família também. Inclusive existem casos em que os responsáveis sentem tanta culpa que acabam caindo no choro no momento de deixá-las na escola. Essa atitude pode deixar o processo de adaptação ainda mais difícil e traumático para as crianças.
        Para agir com tranquilidade, a dica é conversar bastante com os profissionais da escola, conhecer a fundo o método de ensino e sentir total confiança na instituição. Fazendo a escolha da escola com segurança, fica muito mais fácil transmitir tranquilidade ao seu pequeno.
       Lembre-se de que essa é uma etapa importante para o desenvolvimento da inteligência socioemocional da criança, e esse período de adaptação é um período que todas as crianças deverão passar.
        
fontes:
https://bebe.abril.com.br/familia/7-dicas-para-adaptar-a-crianca-a-creche/
https://escoladainteligencia.com.br/adaptacao-escolar-como-lidar-com-4-problemas-mais-comuns/
https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Escola/Volta-as-aulas/noticia/2014/01/12-dicas-para-passar-pela-adaptacao-sem-traumas.html

Bom.......espero que estas dicas tenham ajudado!!!
Um super beijo!!!
 

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Unicórnio de garrafa PET

Este ano resolvemos inovar!!!! Ideia da monitora da minha turminha....brigaduuu, tia Andréa!!! Você é muito criativa!!!!........foi ela que me deu a ideia das máscaras de dormir na contação de história da minha filha da "Bela Adormecida" (olhe AQUI)..........pois bem....ideia boa a gente coloca em prática!!!
Olha como ficaram as carinhas!?!?.... Tem como não se apaixonar?!
Outra hora eu posto o P.A.P.
Bom final de semana!!!

Lembrancinha para o dia dos pais

Uma lembrancinha fácil e legal para o dia dos pais que fizemos ano passado!!
 um porta carregador de celular...
E para deixar mais legal...colocamos este cartãozinho para o papai!!
aí está o molde fresquinho para quem quiser...

Eles adoraram!!!
Bom final de semana!!
Bjuss!!


sexta-feira, 5 de julho de 2019

Projeto: Maleta Viajante

O Projeto Maleta Viajante foi uma ideia da Coordenadora de Creches da minha cidade e ideia boa a gente coloca em prática!!!
Público-alvo: Alunos da Educação Infantil

Período: Durante o ano letivo

Justificativa:
              A leitura tem o poder de transformar vidas, influenciar atitudes e revolucionar a forma de expressão de um povo. O indivíduo que sabe fazer uma leitura adequada não apenas do livro, mas do mundo a sua volta através do entendimento daquilo expressado na escrita influencia todos ao seu redor.
             O hábito da leitura deve ser estimulado desde a infância para que o indivíduo aprenda que ler é algo importante e, acima de tudo, prazeroso.
            A formação de crianças leitoras começa muito cedo, sendo a família a primeira instituição a promover e a colaborar nessa formação. Alguns estudos põem em evidência o papel desempenhado pela família da criança, na formação do gosto pela leitura e de hábitos de leitura.
Objetivo geral: 
  • Aproximar as crianças do universo da literatura para que elas possam reparar na beleza das imagens, relacionarem textos e ilustrações, manifestar sentimentos, experiências, ideias e opiniões.
Objetivos específicos:
  • Levar o livro até a família e desenvolver o interesse das crianças pela leitura;
  • Proporcionar situações de leitura compartilhada definindo preferências e construindo critérios próprios para escolher o que vão ler.
  • Fazer com que construam o hábito de ouvir e sentir prazer nas situações que envolvem a leitura.
  • Familiarizá-los com histórias e ampliar seus repertórios.
  • Observação e manuseio de livros.
  • Desenvolver na criança a facilidade de se expressar em público, inicialmente, perante aos colegas de sala.
  • Incentivar a família a ler alguma coisa para eles em casa.
  • Realizar leitura de imagens.
  • Levar a criança a interpretar o que ouve, responder de maneira lógica ao que lhe é perguntado e desenvolver o pensamento lógico e sua expressão
  • Permitir as crianças ampliar seu vocabulário e seus conhecimentos sobre os diversos títulos (leitura) que ouviu;

Conteúdos englobados:
  • Linguagem oral e escrita: Através da contação da história que a criança levou para casa;
  • Matemática: Sequenciarão de fatos;
  • Linguagem corporal: Através da dramatização enquanto conta a história;

Desenvolvimento:
          A Maleta Viajante, confeccionada em EVA, será enviada para casa juntamente com um livro (que a criança escolheu), uma ficha de registro, uma caixa de giz de cera e as instruções.
         Toda sexta-feira a criança deverá levar a maleta para casa e na segunda-feira a mesma deverá trazer a maleta de volta para que outra criança possa levá-la.
      O projeto será norteado pela literatura infantil, que serão previamente selecionados pelas educadoras com o intuito de oferecer livros com bons textos, com gravuras que possibilitem o encantamento, enfim, livros que possuam conteúdos de qualidade e de acordo com cada faixa etária dos alunos.
       Em casa, com a ajuda da família a historia será contada a ele, o registro deve ser feito pela criança através de desenhos.
        Depois na sala de aula, o aluno poderá apresentar para os colegas o livro que levou e mostrar o seu registro e falar o que achou da história (se gostou ou não).

Avaliação:
       Por meio de registros de atividades que acontecerá no decorrer do projeto.
       Exposição dos registros pelas crianças com fotos.

Folha de registro

Folha com as Instruções

A turma começou a fazer e estamos amando os resultados!!!
Bom final de semana!!!
Bjuss!

domingo, 30 de junho de 2019

Artes da Fabi

 Estes são bolos que a minha irmã faz para festas infantis, casamentos e outros eventos.... verdadeiras obras de arte!!

 

 
 
 
Muito lindos, né!!!
Boa semana!!!
Bjussss!

sábado, 15 de junho de 2019

Desfralde.... Um serviço de paciência!!!

        
          Este foi um período fácil, mas não tão fácil assim.....a Nalu parou de fazer xixi a noite logo cedo.... quando acordava estava com a fraldinha seca então comecei a colocá-la no vaso para fazer xixi assim que acordava....mas durante o dia ela usava fraldas normalmente. 
         Fiquei com receio de colocar no peniquinho e depois ter mais trabalho para colocar no vaso, então já comecei pelo vaso mesmo.... comprei aqueles redutores de acento e colocava ela, sempre que podia, para sentar e fazer xixi.
         Quando entrei de férias no meio do ano, aproveitei para fazer o desfralde porque achei que ela já estava amadurecida o suficiente para esta nova etapa da vida .... comprei várias calcinhas de personagens (Masha, princesas, ladyBug....) para incentivar.... e começamos os trabalho!!!..... o xixi foi tranquilo..... alguns escapavam no chão, no sofá....mas logo ela aprendeu a segurar até chegar no banheiro.....mas o cocô??? este foi barra.... ela não pedia de jeito nenhum....fazia tudo na calcinha!!!!
          Eu fiz tudo que me falavam para fazer.... conversei, fiz chantagem, li livros, subornei, zanguei, ameacei e nada!!!.... por fim deixei para lá..... pensei: ela não fará cocô na roupa a vida inteira, uma hora ela para!!!!..... levava de fraldas para a rua porque corria o risco de acidente, mas mesmo assim ela pedia para fazer xixi e eu levava ao banheiro. Como ela estava usando banheiros públicos eu comprei protetores de vaso da galinha pintadinha ...ela adorou!
         Um belo dia (meses depois do desfralde) ela foi sozinha ao banheiro e fez cocô!!!!!!..... nunca mais fez na roupa!!!!!
O que eu digo para vocês, mamães amigas de fé, irmãs camaradas:..... eles conseguem!!!! e aí é só alegria!!!!!
Este é o protetor de assento que eu costumo comprar para usar na rua.... tenho sempre na bolsa porque meninas é muito perigoso sentar em banheiros públicos....meninos também!!!
E de vcs....como foi o processo de desfralde dos seus pequenos??? 
Bom final de semana!!!
Bjuss!!